Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > História da Ciência > Projetos de pesquisa > Exposições científicas e sociedade: o caso da Exposição Internacional de Higiene de 1909
Início do conteúdo da página

Cosmo, tempo e representação: elementos de astronomia Guarani Mbyá

Publicado: Terça, 11 de Abril de 2017, 13h29 | Acessos: 2374

Coordenador: Luiz Carlos Borges

Resumo

Este projeto, cujo objeto de investigação é o sistema de saber dos Guarani Mbyá do Rio de Janeiro, especialmente no que se refere ao seu conhecimento de fenômenos celestes, bem como as suas técnicas de determinação dos fenômenos celestes, visa estudar as relações, deste tipo de conhecimento, com as formas sócio-econômicas, ritualísticas e linguísticas tradicionais, pelas quais esse saber acumulado se configura no modo guarani de conceber e se relacionar com o mundo, assim como na conformação de sua organização sócio-política-cultural, particularmente em termos de apreensão e uso sociais do cosmo e do tempo. Por isso, nosso propósito é não apenas descrever e mapear o céu visto pelos guarani, na perspectiva da observação topo-etno-cêntrica, mas compreender esse conhecimento como parte do sistema lógico e significativo guarani, levando em consideração o sistema de representações e de significações próprio dos guarani, no interior mesmo do conjunto de relações que eles estabelecem entre os fenômenos celestes e meteorológicos e seu modo de conceber e estar no mundo.

Basicamente, o que propomos é estudar sistematicamente as representações imaginárias e econômico-sociais do tempo e do céu na sociedade guarani, verificando o grau de interpenetração dessas relações e o quanto a vida guarani em geral encontra-se por elas determinada. Em termos especificamente astronômicos, nosso propósito é fazer o mapeamento do céu de acordo com os recortes guarani, isso implica em reconhecer também o seu sistema de classificação e nomeação dos fenômenos celestes, sua relação com seus rituais e atividades sócio-econômicas, assim como seus modos de determinar o ciclo anual, as possíveis relações entre as passagens solares no horizonte e a anualidade ou sazonalidade pertinentes à cultura guarani, reconhecer os marcadores que indicam o início e o transcurso do ano tradicional desse povo, incluindo seu sistema de determinação temporal e espacial.


Equipe

Luiz C. Borges (coordenador); orientados do PPG-PMUS: Álea Santos de Almeida (mestrado); Anna Gláucia Oliveira Motta (mestrado); Elisabete Edelvita Chaves da Silva (mestrado); Karla Cristina Damasceno de Oliveira (doutorado); Luiz César dos Santos Baía (doutorado) e Maria Josiane Vieira (mestrado)

 

Parceria

Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio ― PPG-PMUS (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO/Museu de Astronomia e Ciências Afins – MAST/MCTI)

 

Voltar

registrado em:
Fim do conteúdo da página