Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

16º Seminário Nacional de História da C&T

O maior e mais antigo evento nacional da área tem uma programação repleta de atividades, a exemplo dos Simpósios Temáticos que têm a participação de pesquisadores do MAST

  • Publicado: Quarta, 03 de Outubro de 2018, 12h08
  • Acessos: 867

De hoje, até o dia 18 de outubro, a Sociedade Brasileira de História da Ciência (SBHC) realiza o 16º Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia. Maior e mais antigo evento nacional da área, o Seminário acontece nas dependências da Universidade Federal de Campina Grande e da Universidade Estadual da Paraíba, em Campina Grande, Paraíba. A programação é repleta de atividades, a exemplo de conferências, mesas redondas, mini cursos, lançamento de livros e atividade sociocultural. O Seminário promove o encontro de grupos locais e regionais de pesquisadores e estudantes de diversas origens e especialidades.

Além da pesquisadora da COHCT Christina Helena Barboza, que é a presidente da SBHC, e presidente da Comissão Organizadora, o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) vai estar representado no evento com a participação de seus pesquisadores, coordenando os seguintes Simpósios Temáticos:


De objetos do ensino a patrimônio: estudo comparativo dos objetos científicos e de ensino nos laboratórios de física do Colégio Pedro II e do Ginásio Pernambucano

Bruno Melo de Araújo (UNIRIO), Emanuela Sousa Ribeiro (UFPE), Marcus Granato (MAST), Victor Emmanuel Teixeira Mendes Abalada (MAST)

Analisa comparativamente a cultura material relativa ao ensino da física em duas instituições de ensino, Colégio Pedro II, localizado no Rio de Janeiro e, o Ginásio Pernambucano, localizado no Recife. Esta análise enfoca os objetos científicos e de ensino existentes, no início do século XX, nos laboratórios de física dos referidos colégios e que, no caso do Colégio Pedro II, atualmente se constituem como patrimônio cultural da ciência e tecnologia.


Astronomia e transdisciplinaridade: um panorama atual da Arqueoastronomia no Brasil

Coordenadores: Cíntia Jalles de Carvalho de Araujo Costa (MAST) e Rundsthen Vasques de Nader (UFRJ).

A Arqueoastronomia, que envolve uma parceria mais estreita da Arqueologia com a Astronomia, entre outras ciências, é uma das mais recentes áreas de cooperação científica, entre diversas outras que tanto contribuem para uma melhor compreensão do passado humano. Seu foco principal é entender o conhecimento astronômico das populações que viveram em nosso território em períodos mais remotos e que deixaram um legado o qual mal começamos a desvendar e que ainda representa uma parcela mínima desta nova ciência, que está mais direcionada ao estudo dos povos ágrafos.

 
Ciência, Intelectuais e Estado no Brasil (séculos XIX e XX)
Coordenadores: Pedro Eduardo Mesquita de Monteiro Marinho (MAST), Nilton de Almeida Araújo (Univasf), e Ricardo Augusto dos Santos (Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz)

Promover a interlocução entre pesquisas voltadas para a produção e circulação de saberes técnico-científicos a partir de dois recortes simultaneamente distintos e integrados: a formação do Estado e da sociedade civil no Brasil entre os séculos XIX e XX, e a formação de agentes e instituições que desempenharam papel central na organização do conjunto das atividades científicas e de políticas públicas - concebendo-as as em suas dimensões econômicas, culturais e sociais.  O Simpósio busca, a partir de uma perspectiva teórico-metodológica que refuta uma apreensão teleológica da Ciência, da Técnica e da Tecnologia no Ocidente, apreender o processo de formação de redes de interlocução e espaços de ação e produção dos intelectuais que condicionaram o debate sobre ciência e a elaboração de políticas públicas no país.


Ciência, tecnologia e circulação de saberes em espaços imperiais modernos, séculos XVI-XIX

Coordenadores: Heloisa Meireles Gesteira (MAST) e Bruno Martins Boto Leite (UFRPE)

Promove debates historiográficos e estimula novos estudos sobre esses produtos culturais e as instituições e sociabilidades que deram lastro ao seu aparecimento, consumo e apropriação, no âmbito específico das configurações imperiais de que fizeram parte e também de suas ex-colônias em seus períodos de afirmação política (com especial destaque para o mundo português e o Brasil). Serão investigados ainda quais os aspectos relevantes da interação entre “eruditos” e comunidades ou informantes locais, quais eram os mecanismos de difusão e legitimação do conhecimento construído em situações de contato cultural e quais os efeitos da competição e colaboração intra- e interimperiais na conformação dos saberes.


História cultural das ciências: teorias, métodos e abordagens para o século XXI

Coordenadores: Moema de Rezende Vergara (MAST) e Victor Rafael Limeira da Silva (UFBA)

Reúne trabalhos, apontamentos e notas historiográficas que reflitam sobre métodos e abordagens em história cultural das ciências, entendida enquanto questionamentos sobre o passado das ciências de modo não confinado aos “centros científicos” ou reduzido ao “corte epistemológico” e à normatização da produção científica, mas como um conjunto de construções, ações e representações inteiramente coletivas e humanas. O Simpósio também visa promover o diálogo entre contribuições que tomem a cultura científica como dimensão privilegiada de análise, nas interfaces com a cultura em geral e a partir da noção de que toda cultura, inclusive a científica, é a cultura de um grupo que compartilha significados, crenças e interesses não dados previamente, mas resultantes de suas interações e negociações.


História das Ciências de Campo no Século XX no Brasil

Coordenadores: Heloisa Maria Bertol Domingues (MAST) e Wilma Marques Leitão (UFPA)

O Simpósio reflete sobre o significado dos trabalhos de campo nas ciências, no século XX, considerando a interlocução entre cientistas, instituições e o processo de circulação internacional dos conhecimentos. Pretende reunir trabalhos que discutem as expedições científicas do século XX, considerando que o processo de construção dos conhecimentos nesse período foi conduzido desde a implementação de novas tecnologias no campo e aprofundamento dos conhecimentos sobre a biodiversidade, recursos hídricos, conservação da natureza, até a busca de soluções para problemas gerados pela transformações no meio ambiente, como as mudanças climáticas e o agravamento dos problemas sócio ambientais, todos relacionados à própria sobrevivência na Terra.

Clique AQUI e saiba mais sobre o Seminário

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página