Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Experimentações artísticas interconectadas com a ciência

Hiperorgânicos reuniu pesquisadores e artistas no Museu de Astronomia para uma intensa troca de experiências, informações e estabelecimento de novas redes

  • Acessos: 520

Nos dias 22 e 23 de maio, o Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST) foi palco para a experimentação de artistas, pesquisadores e cientistas que participaram da 8ª edição do Hiperorgânicos - Simpósio Internacional de Pesquisa em Arte, Hibridização, Biotelemática e Transculturalismo. Idealizado pelo Núcleo de Arte e Novos Organismos (NANO), o evento foi coordenado pelos pesquisadores e artistas Prof. Dr. Guto Nóbrega e Profª. Drª. Malu Fragoso, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e também pela pesquisadora Fabiane M. Borges, proponente do tema “Ancestrofuturismo”, que abordou a convergência estrutural entre dois domínios aparentemente contraditórios: ancestralidade e futuro.


Fabiane, Márcio Rangel (MAST), Guto e Malu na abertura do evento

A pesquisadora Malu Fragoso ressaltou a importância que o conhecimento ancestral pode trazer para se olhar o mundo cotidiano. "A temática do Hiperorgânicos traz a conexão entre conhecimentos antepassados à nossa projeção para o futuro. Quando resgatamos um conhecimento ancestral e trazemos para o nosso olhar hoje, tentando não pensar como eles pensavam nos séculos passados, talvez possamos projetar e propor um futuro diferente daquele que a gente está caminhando. Como não pensar em trabalhar a astronomia a partir desse tema? Ela também faz parte de todo um conhecimento que nós não estamos usufruindo. Por isso, escolhemos o MAST para realizar esse evento, fazendo a intercessão entre essa ciência com as artes e propondo, de uma maneira mais lúdica, estética e acessível a um público em geral, o conhecimento da astronomia e das ciências que estão ligadas a ela. Parece uma coisa tão distante quando a gente pensa em espaço, mas na verdade é tão próximo", explicou Malu.

O Campus do MAST/ON foi o espaço escolhido para realizar todas as conexões entre a ciência, tecnologia e a arte. Por meio de muito bate-papo e experimentação artística, o evento abrangeu debates, rodas de conversas, exibição de filme, além de música e dança. Segundo Guto Nóbrega, o Hiperorgânicos também serviu como atividade de pesquisa, onde estudantes, colaboradores, artistas convidados e o próprio público tiveram a oportunidade de trocar experiências, vivências e, principalmente, se conectarem para possíveis parcerias. O Museu participou do evento conectando arte e astronomia por meio de apresentação de trabalhos científicos, artísticos e participando de mesas redondas.


Cine clube nas miras do MAST e apresentações artísticas dentro das cúpulas de observação do céu.

Representantes da instituição apresentaram trabalhos científicos, artísticos e participaram de mesas redondas. Alguns dos destaques foram a palestra da pesquisadora Priscila Faulhaber, que falou sobre Ticunas e o Mundo dos Museus, mostrando estudo voltado à interpretação de objetos produzidos pelos índios para fins rituais deslocadas para museus no Brasil e no exterior, e da astrofísica Tânia Dominici, que mostrou como observação do céu noturno está em risco devido ao descontrole uso da iluminação artificial, provocando uma poluição luminosa que prejudica o contato com o céu estrelado.

Também foi a exibida a animação “A Lenda da Vitória Régia”, que contou a história de uma jovem apaixonada pela Lua, pois acreditava que o satélite brilhante era um rapaz guerreiro que transformava suas amadas em estrelas. O desenho foi criado pelo artista plástico e designer do MAST, Ivo Almico, que afirmou ser um orgulho participar da iniciativa. "Esse evento já faz parte do cenário mundial, com a participação de vários artistas internacionais. Na minha opinião, esse projeto já entrou para a história da arte brasileira. É um trabalho importante, que está na sua oitava edição, e eu me sinto muito honrado em ter participado. Tenho certeza de que vai dar muitos frutos. Fiquei satisfeito por apresentar o meu trabalho, uma pré-estreia, pois pretendo lançar no AnimaMundi ou no Festival de Gramado ainda este ano. Pela reação do público e dos artistas que participaram do evento, que após a exibição da animação me convidaram a dar um depoimento sobre o meu trabalho durante uma mesa redonda, foi realmente um sucesso." contou Ivo.


Animação A Lenda da Vitória Régia exibida em uma das miras do Campus do MAST

Uma iniciativa interessante apresentada ao longo do evento, foi o projeto em desenvolvimento da Mochila de Exploração, criada pelo artista independente Jonas Esteves. "A mochila está sendo desenvolvida para capturar, em tempo real, a qualidade do ar, a temperatura, a altitude e que ela tenha estímulos diferenciados para exibir estas informações, tanto para o usuário, quanto para as pessoas ao redor. Sempre gostei de trabalhar com a questão da tecnologia, arte e desenhos, além de ter fascínio de possuir uma mochila tecnológica. É uma experimentação que vai ser bem interessante", afirmou Jonas, que também elogiou a estrutura do MAST e a forma como foi recebido na instituição.

Fabiane Borges, uma das coordenadoras da 8ª edição do Hiperorgânicos, contou que o Museu foi um espaço acolhedor e que permitiu a troca de experiências entre os participantes do evento. "Nossa ideia foi discutir tecnologia a partir de outros pressupostos que não fossem os teológicos. Tudo tem subjetividade, matéria, tudo existe e tem a potência de desejo. E aí você troca completamente a ideia de evolução só pra cima, e entra em jogo a questão de temporalidade, das múltiplas viagens no tempo e no espaço. O conceito foi criado para trabalhar com ancestralidade e o futuro como algo que não tem um início e um fim. O evento foi muito prazeroso e o MAST nos permitiu interagir a céu aberto com uma estrutura fundamental para essa troca de experiências", agradeceu a pesquisadora.

registrado em:
Fim do conteúdo da página