Busca


  Projeto

As representações astronômicas na arte rupestre brasileira
Coordenadora: Cíntia Jalles


Resumo

A arqueologia, buscando compreender sociedades tão diferentes da nossa, costuma se associar a diversas outras áreas de conhecimento na tentativa de entender um pouco mais sobre esses grupos, a partir de restos fragmentados de suas culturas. Em parceria com a astronomia, busca compreender o conhecimento que tais sociedades teriam sobre a dinâmica celeste, a partir de vestígios arqueológicos relacionados ao tema.

No Brasil, a pesquisa no campo da arqueoastronomia está diretamente associada ao estudo da arte rupestre (inscrições – pintadas ou gravadas – deixadas pelo homem em suportes fixos de pedra, tais como abrigos, grutas e paredões), já que é principalmente nos painéis rupestres que encontramos sinais de registros astronômicos.

O Museu de Astronomia e Ciências Afins, em projeto de cooperação científica com o Museu Paraense Emílio Goeldi – MPEG/ MCTI – e com apoio de diversas instituições brasileiras, vem reunindo imagens com representações astronômicas identificadas em painéis de arte rupestre espalhados por todo o território nacional. Já foram coletados materiais em sítios arqueológicos de norte a sul do país, mais especificamente nos estados do Amapá, Pará, Tocantins, Paraíba, Bahia, Minas Gerais e Paraná. Por meio desses painéis, pode-se identificar diversos aspectos do cotidiano dos diferentes grupos que habitaram o Brasil no passado. A necessidade de orientação por referenciais astronômicos era essencial para regular o bom desempenho de numerosas atividades das populações pré-coloniais, dentre as quais a caça, pesca, coleta e a agricultura, que dependiam diretamente desse conhecimento para a sua organização.

As representações astronômicas, como as figuras classificadas como sóis, luas e outras imagens celestes, são bastante comuns na arte rupestre brasileira. Além da representação dos astros, também podem ser observados diversos registros que são associados a sistemas de marcação de tempo, em que também estão implícitas observações celestes.

Os dados, recolhidos de forma padronizada, permitirão quantificar e comparar, além de fornecerem subsídios para o reconhecimento de elementos astronômicos, com o objetivo de se traçar um perfil do conhecimento astronômico do homem no passado.


Equipe

Cíntia Jalles (coordenadora); Maura Imazio da Silveira (Museu Paraense Emílio Goeldi/MCTI); Rundsthen Vasquez de Nader (Observatório do Valongo/UFRJ)

  Menu

Linhas pesquisa

Ciência, tecnologia e sociedade
Ciência, tecnologia e contextos culturais

Projetos de pesquisa

A conquista do mundo natural e a
colonização da América ( XVI - XVIII)
A expansão da Estrada de Ferro D. Pedro II
e as associações técnico-científicas
A fronteira na história da antropologia
As representações astronômicas na arte
rupestre brasileira
Cosmo, tempo e representação: elementos
de astronomia Guarani Mbyá
Discurso, políticas e itinerários simbólicos
do patrimônio cultural
Divulgação da ciência nas revistas científico-
literárias brasileiras do século XIX
Expedições astronômicas no Brasil
(1850-1950)
Exposições científicas e sociedade: o caso
da Exposição Internacional de Higiene de 1909
História comparada da ciência: Brasil e Peru
História da antropologia no arquivo
iconográfico Luiz de Castro Faria
Irradiando política, acirrando conflitos
Memória e história da Sociedade Brasileira
de História da Ciência e Tecnologia - SBHC
O Laboratório Nacional de Astrofísica:
história em construção
Recursos naturais entre a prática científica
e os saberes tradicionais
Sob chuvas e trovoadas: história da
meteorologia no Brasil
Território, ciência e nação (1870-1930)

Grupos de Pesquisa

Equipe

Pesquisadores
Colaboradores

Contato

Coordenadora: Heloisa Meireles Gesteira
Contato: Cíntia Machado
Telefone: 55 21 3514-5245
Fax: 55 21 3514-5247
E-mail: chc@mast.br