Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Exposição virtual Expedições Artísticas e Científicas
Início do conteúdo da página

Uma máquina de fazer aproximações: a Comissão Brasileira Demarcadora de Limites, seus demarcadores e suas ‘coisas’

  • Criado: Terça, 06 de Agosto de 2013, 14h30
  • Publicado: Terça, 06 de Agosto de 2013, 14h30
  • Última atualização em Segunda, 11 de Dezembro de 2017, 14h24

“Demarcar é aproximar”, dizia o almirante Brás Dias de Aguiar, que, entre 1929-1947, atuou como chefe do setor norte da Comissão Brasileira Demarcadora de Limites. O verbo aproximar, para além da metáfora diplomática, sintetiza bem o objetivo das demarcações levadas a cabo pelos comissionários e seus diferentes objetos de trabalho e sobrevivência: fixar marcos nas ‘aproximadas’ linhas de fronteira. Seguindo algumas aproximações, pretendo dar a conhecer, em linhas gerais, o funcionamento da ‘máquina Comissão’ e o seu modo de produzir os limites internacionais brasileiros.

Carlos Gomes de Castro é doutorando em Antropologia pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional (PPGAS), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestre em Antropologia Social pela mesma instituição. Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atua nas áreas de Antropologia Simétrica e Antropologia e História.


registrado em:
Fim do conteúdo da página